Debate e lançamento de livros sobre cinema em Olinda nesta quinta



As Faculdades Integradas Barros Melo promovem o lançamento de quatro livros que se debruçam sobre o som no cinema, a história da crítica cinematográfica no Brasil e o cinema de gênero

As Faculdades Integradas Barros Melo, por meio do bacharelado em Cinema e Audiovisual, promovem, nesta quinta-feira (29) o lançamento de quatro livros que se debruçam sobre o som no cinema, a história da crítica cinematográfica no Brasil e o cinema de gênero, no caso, o horror contemporâneo produzido no mundo. O evento acontece a partir das 9h30, na sala 209 da instituição de ensino e tem entrada franca.

O jornalista e professor Rodrigo Carreiro lança dois trabalhos. O primeiro – que surge como resultado de pesquisa de pós-doutorado – tem o título A pós-produção de som no audiovisual brasileiro (Editora Marca de Fantasia) e vem em formato e-Book, com download gratuito em PDF e ePub. O livro traz 12 entrevistas com profissionais brasileiros de pós-produção sonora para cinema e televisão, precedidas por capítulo introdutório que sintetiza os principais resultados da investigação.

Em O som do filme: uma introdução (co-edição das editoras universitárias da UFPE e UFPR, R$ 40), Carreiro, Débora Opoiski (PR) e João Godoy (USP) – com quem o pernambucano divide a autoria – trabalharam para fazer deste o primeiro “livro-texto em língua portuguesa a cobrir todas as fases da produção sonora para os meios audiovisuais”.

Leia também:
Remakes de clássicos do terror são analisados em livro de jornalista

O coordenador do bacharelado em Cinema e Audiovisual da AESO-Barros Melo, Luiz Joaquim, por sua vez, palestra no evento representando a Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) como coautor (assinando ao lado do jornalista e mestrando da UFPB, André Dib) o capítulo sobre Pernambuco no livro, Trajetória da crítica de cinema no Brasil (Editora Letramento, R$ 59,90).

Produzido pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine), a obra é resultado de um trabalho inédito, reunindo, pela primeira vez a história, do início e do desenvolvimento do exercício da crítica de cinema em 23 dos 27 estados do país, incluindo o Distrito Federal. Neste levantamento, que envolveu 34 autores, é possível traçar uma trajetória comum, mesmo em lugares distantes do centro econômico. Organizado por Paulo Henrique Silva, presidente da Abraccine, e com apresentações de Jean-Claude Bernardet e Ismail Xavier, Trajetória da crítica de cinema no Brasil é uma importante ferramenta para o estudo do cinema, da crítica e do jornalismo cultural no país.

O terceiro campo em destaque, também no debate do dia 29, é o cinema de gênero, com o jornalista e professor das FIBAM, Filipe Falcão, lançando o mais recente trabalho: A aceleração do medo: O Fluxo Narrativo dos Remakes de Filmes de Horror do Século XXI (Ed. Estronho, 370 p., R$ 40). Fruto de pesquisa de doutorado do autor, a obra traz completa análise sobre refilmagens, não apenas de obras de terror, mas da própria história do cinema, detalhada e aprofundada para a compreensão do que leva um filme a ganhar novas versões.

voltar