AESO - Faculdades Integradas Barros Melo

Especialistas debatem os rumos da música regional



Os caminhos da música regional serão discutidos neste fim de semana, durante o pré-Acorde Brasileiro - Encontro Nacional das Músicas Regionais. O evento, voltado para acadêmicos, músicos profissionais e demais membros da cadeia produtiva da música, se realiza hoje e amanhã, no cineteatro da AESO/Barros Melo, em Olinda. A programação inclui palestras, debates e apresentações musicais de artistas pernambucanos. Entre os especialistas convidados estão o compositor mineiro Fernando Brant, o músico Benjamin Taubkin e o pesquisador Luis Carlos Prestes Filho. Esta é uma "versão compacta" do evento, que ainda passa por Belém do Pará antes de se realizar de forma plena em Porto Alegre. "A música regional é forte, viva, não precisa ser defendida. Precisamos é discutir formas de aumentar sua visibilidade", diz o idealizador Luis Carlos Contursi. De acordo com o produtor gaúcho, a intenção das edições locais é avaliar as situações específicas de cada região, e formar assim um acervo de casos positivos, modelos disponíveis e formas de superar dificuldades. O acesso ao pré-Acorde Brasileiro é gratuito. Os participantes que se inscreverem no evento pessoalmente ou pelo site www.barrosmelo.edu.br terão direito a certificados. Hoje, às 9h, Taubkin fala sobre estratégias de distribuição musical. Em seguida, tem debate com Leonardo da Fonte, Bruno Rodrigues e AD Luna. Às 14h, Sílvio Bento (coordenador de música do Sesc-RS) faz palestra sobre música na educação, com debate de José Renato Aciolly, Gustavo Almeida e mediação do violonista Cláudio Moura, que ainda se apresenta ao lado do músico Pepê. O grupo Fim de Feira também faz show. Amanhã, às 9h, o tema será a cadeia produtiva da música, desenvolvido por Luiz Carlos Prestes Filho, e debatido por Jorge Clésio, Hugo Pordeus e Débora Nascimento. Às 14h, a pauta enfoca os direitos autorais, que encontram em Fernando Brant, presidente da União Brasileira dos Compositores, um de seus maiores defensores. "Não podemos permitir que o autor trabalhe e não ganhe nada. A internet é apenas outro meio de comunicação. A mesma tecnologia que permite atitudes ilícitas pode controlar essa produção. Na essência, as leis que valem para o mundo real valem para o virtual", acredita Brant, que terá como interlocutores o gerente do Ecad-PE Miguel Krause e o músico Dudu Alves. (André Dib)

voltar