Livro sobre os 25 anos de 'Da lama ao caos' será lançado no Recife



A jornalista carioca Lorena Calábria entrevistou mais de 60 pessoas para conta as histórias de bastidores do primeiro álbum de Chico Science & Nação Zumbi 
 
Foi com certo estranhamento que o grande público e parte da crítica receberam, em abril de 1994, o lançamento de "Da lama ao caos". Mas se a inusitada mistura de ritmos do álbum de estreia de Chico Science & Nação Zumbi não obteve a recepção esperada no primeiro momento, em pouco tempo o grupo pernambucano conseguiu alcançar reconhecimento dentro e fora do Brasil. As várias histórias por trás do disco, que acaba de completar 25 anos, são contadas pela jornalista carioca Lorena Calábria no livro "Chico Science & Nação Zumbi – Da lama ao caos". 
 
Quando o álbum chegou às lojas, Lorena trabalhava como apresentadora do "Metrópolis", programa da TV Cultura voltado às artes. Já no primeiro contato com a obra, ela foi cativada e começou a acompanhar mais de perto a trajetória da banda. "Aquelas músicas, as letras e toda a concepção visual do disco eram uma coisa muito nova e muito forte para mim. Tive a oportunidade de ver o show de lançamento em São Paulo e o impacto foi ainda maior. É uma música que vai penetrando nos poros", afirma. 
 
Por conta dessa admiração, ao ser convidada pela editora Cobogó de escrever um volume para a Coleção O Livro do Disco, a jornalista não teve dúvidas sobre qual álbum brasileiro seria seu objeto de pesquisa. "É muito nítido para mim que o 'Da lama ao caos' já não é só mais um disco. É um conceito de quem se conectar de alguma forma com aquilo tudo que o Manguebeat trouxe", defende. 
 
Leia também: 
A 'solidão desejada' de Marcello Rangel em seu primeiro disco 
Bienal do Livro de Pernambuco 2019 anuncia programação 
 
Para conseguir desenhar um panorama da cena musical vivida na "Manguetown" cantada por Chico Science e seus parceiros, Lorena entrevistou mais de 60 pessoas, entre os remanescentes da banda, artistas parceiros, amigos, produtores e familiares. "Tentei imaginar como tudo aquilo aconteceu. Mesmo não tendo vivido essa cena recifense, mas consigo mapear e fazer um retrato de longe, baseado em tudo aquilo que me contaram. Acho muito interessante como as coisas chegavam aqui, naquela época, e eram absorvidas por uma turma ávida por cultura", aponta. 
 
Lançamento 
 
Na capital pernambucana, Lorena Calábria participa de uma agenda de lançamentos do livro. O primeiro evento é uma palestra no cineteatro da faculdade AESO-Barros Melo, em Olinda, nesta quarta-feira (18), às 9h30. Mais tarde, às 15h30, a autora repete o bate-papo no miniauditório 2 do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). 
 
Na quinta-feira (19), às 19h, ela participa de um debate sobre a vida noturna do Recife nos anos 1990, promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife (SDECTI) e a rádio Frei Caneca FM. A mesa ocorre no Auditório do Apolo 235, do Porto Digital, com mediação de Patrick Torquato, e conta ainda com as presenças de H.D Mabuse e DJ Dolores. Já a sessão de autógrafos será realizada no sábado (21), a partir das 15h, na loja Passa Disco, no bairro do Espinheiro.

voltar